Gestão Pública como bandeira política?

.

Artigo meu publicado hoje no caderno Opinião do Correio Braziliense:                                                                 

                                         Gestão Pública como bandeira política?

Minas Gerais tem sido o palco de uma consistente transformação na Gestão Pública. Os resultados desse processo – “Choque de Gestão” – são significativos e conhecidos, de tal modo que permitiram com que o nome do governador Aécio Neves seja cogitado para a Presidência da República. A pergunta que fica é: a melhoria da Gestão Pública é uma bandeira política legítima para o Brasil?

A Gestão Pública não é fim em si mesmo – é um meio. Quando bem empregada, traduz-se em melhores serviços públicos e no uso mais eficiente dos recursos provindos de tributos pagos pelos cidadãos. Quando mal empregada, é um meio de desperdiçar recursos públicos, facilitar práticas de corrupção e distorcer políticas redistributivas em um país tão desigual como o Brasil.  

Esses motivos, por si só, fazem da Gestão Pública um tema relevante para o debate. Em recente estudo do Banco Mundial, do qual participei, comparamos as trajetórias de reformas da Gestão Pública realizadas pelos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) e da América Latina nos últimos vinte anos. Como o Brasil se posiciona em relação a tais países? Não precisamos nos preocupar com Gestão Pública? Se por um lado, o Brasil está em uma situação bem melhor que a maioria dos países da América Latina, ainda encontra-se bem distante dos países desenvolvidos.

Dentre os países latino-americanos, a administração pública brasileira e chilena são as melhores avaliadas. Embora o Brasil conte com burocracias baseadas no mérito, ainda possui um alto grau de indicação política para cargos em comissão. Não nos posicionamos tão bem em termos de efetividade do governo. O Banco Mundial possui um indicador de efetividade que captura a percepção da qualidade da administração e dos serviços públicos, do nível de independência de pressões políticas, e da qualidade de formulação e implementação de políticas públicas. O Brasil posicionou-se (2007) em 53º lugar de um total de 212 países. Estamos atrás do Chile, Uruguai, Costa Rica, México, Panamá e Colômbia. Na América Latina, a preocupação com o desempenho do governo é um tópico recente e, ainda, confinado a círculos tecnocráticos. Além disso, como paliativo para falta de uma revisão sistemática da própria administração pública, os governos latino-americanos fazem uso excessivo e crescente de órgãos da administração indireta, na busca por maior agilidade e flexibilidade. Entrentanto, essas “ilhas” contribuem para que a organização do setor público seja desintegrada, gerando ineficiências sistêmicas.

Comparado aos países da OCDE, o Brasil parece ter mais desafios e trabalho a frente. Os contextos são diferentes, obviamente; os exemplos precisam ser interpretados com cuidado e seletividade, porém é possível utilizarmos o mesmo sistema operacional, as técnicas de gestão. Há, também, sempre espaço para inovação.

Os países da OCDE passaram por reformas nos últimos anos como resultado da insatisfação de cidadãos e políticos com relação às atividades e à forma de operação do governo. Os maiores problemas derivaram-se do aumento do tamanho do setor público e da complexidade de sua estrutura organizacional. O foco das reformas centrou-se na melhoria do desempenho do governo e da responsividade da máquina administrativa a prioridades dos políticos eleitos. Inegavelmente, as reformas melhoraram a produtividade e a qualidade do setor público, mesmo que tenha havido algumas consequências não esperadas.

Na Améria Latina, ainda estamos procurando reforçar as bases de um serviço público imparcial e meritocrático, movimento que os países da OCDE concluíram no século 19. Este processo, entretanto, tem sido descontínuo. Promover um sistema público baseado em regras méritocráticas é um obra inacabada em nossa região. Agregar medidas de desempenho a tal sistema é um desafio e, possivelmente, uma oportunidade promissora.

Há muito a se fazer pela Gestão Pública na América Latina e no Brasil. É o que o estudo do Banco Mundial nos aponta. Não precisamos de mais retórica, tampouco de processos interrompidos ou revertidos por oportunismos políticos. Em 2003, governo mineiro tomou a decisão de levar a Gestão Pública a sério. Mostrou um caminho inovador.  O caminho de uma boa Gestão Pública pavimenta uma maior confiança no governo e maior legitimidade em se promover reformas e políticas públicas progressistas. É uma passagem necessária rumo a um desenvolvimento mais ambicioso e sustentável.  O caminho de uma boa Gestão Pública é, sem dúvida, uma bandeira política legítima para nosso país.

  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s