A diplomacia da ingenuidade

.

Hillary Clinton, Secretária de Estado Norte-Americana,  já expressou publicamente o quão ingênua é a política externa de paz-e-amor do Brasil. O problema é quando o sentimento de pureza vem cheio de contradições de toda ordem. Hoje o Financial Times traz uma mensagem no mesmo sentido e, ainda, faz elogios à personalidade simpática do Presidente.

Porém, a ascenção do Brasil como uma liderança-emergente terá um acréscimo proporcional da expectativa de que o país melhore não só o escopo da política externa como também sua consistência.  As contradições e atitudes ideológico-ingênuas não ajudam  nesta tarefa, além poderem minar prioridades do país, a exemplo do assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.

Agora, imaginem a política externa sob o comando da candidata à Presidência Dilma: mais ideológica, mais beligerante e sem carisma algum. A brincadeira sairia cara…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s