Madeira a baixo

.

Rosângela Bittar, Valor Econômico, traz boas passagens de um conversa com Arnaldo Madeira, deputado federal de São Paulo.

“O que falta para fazermos a reforma política são lideranças políticas que assumam que é preciso mudar o sistema eleitoral em vigor, absolutamente esgotado. O povo está distante, poucos se envolvem com a eleição de deputado, a instituição está desmoralizada, em crise de representação. Temos eleição mas não temos representação, o povo não se sente representado”

“Estamos em um momento de renovação das lideranças políticas, estamos numa fase de mudança de gerações, e não apareceram ainda grandes líderes que pensem o país para além da próxima eleição”.

Evocando Joaquim Nabuco, “Entre nós, as reformas parecem prematuras quando já são tardias”. “As soluções patrióticas de nossos estadistas só têm o defeito de serem póstumas”.

 “O Brasil é um país presidencialista, a liderança política é muito dependente do Executivo, o governo não tem agenda para as grandes questões nacionais no Congresso, se preocupa apenas em manter uma base ampla e, para isso, precisa recorrer aos instrumentos da fisiologia, com vistas à próxima eleição. O que prevalece é a preocupação fisiológica com a próxima eleição”.

Mais lenha na fogueira do debate sobre a reforma política.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s