Entre a paz e a violência: qual é o seu lado?

.

Os manifestantes ainda estão nas ruas. Os governantes, nos castelos. Para que ambos não percam legitimidade, cada uma da sua maneira, talvez tenham que separar o movimento em dois: o pacífico e o violento.

Se os 20 centavos foi “a gota d’água”, a insatisfação das pessoas com a falta de participação política, má qualidade das políticas e serviços públicos e a violência covarde da polícia na semana passada foi o que fez as ruas do Brasil serem ocupadas por uma massa – heterogênea, mas esperançosa – de pessoas.

A reação violenta e literalmente incendiária de alguns manifestantes ontem a noite na Prefeitura de São Paulo coloca outra pergunta na mesa: quando é que haverá uma cisão (clara) nesse movimento entre os que acreditam em meios pacíficos e os que creem na legitimidade da violência como meio de busca do poder ou mudança política? Não tenho dúvida que a maior parte das pessoas optaria por ficar no primeiro grupo. São aquelas que concordam, em princípio, com o estado de direito e que clamam decência da classe política. Ao mesmo tempo, recusam-se a fazer eco na corrente violenta das manifestações. Será preciso, então, diferenciar os movimentos para que o esforço de mobilização não se perca na fumaça. Ainda assim não fica claro como se organizarão ou estão se organizando.

Manifestacao sim Violencia nunca

Se os governantes parecem perdidos, é melhor focarem em resolver o problema. Reduzir 20 centavos da passagem de ônibus poderá acalmar os ânimos, mas não adiantará no médio prazo. É preciso mudança na atitude, na estratégia e na comunicação dos governantes e dos partidos, bem como na forma de pensar política pública no Brasil. Mais inclusão, mais transparência e alocação de orçamento mais progressiva. Claro, menos oportunismo. Ao mesmo tempo, o que povo não quer é uma situação anárquica. Para isso, os governos precisam deixar de lado sua consciência de culpa pela brutalidade da quinta-feira-de-borracha e agir estrategicamente, de modo profissional e respeitando os princípios da cidadania, para deter aqueles que depredam o bem público e escolhem a violência como forma de protesto. Há tecnologias e inteligência para esse tipo de ação policial. Há leis para serem cumpridas. Basta usá-las. Aliás, por que já não estão sendo usadas?

Enquanto a brasa ainda está quente, o Congresso passa o projeto de lei conhecido como “cura gay”. Motivo é que não falta para continuarmos protestando – sem violência, sem golpismo, mas com convicção. Como podem notar, já tomei minha posição do lado dos pacíficos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s